Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, outubro 30, 2009

Frei Betto apóia Marina Silva

Quinta-feira, 29 de outubro de 2009 - 02:41

Fernando Zanelato
Agência BOM DIA

Ex-assessor especial da Presidência da República durante os dois primeiros anos do governo Lula (2003 a 2005), o teólogo e escritor Frei Betto disse nesta quarta-feira ao BOM DIA, durante uma palestra no Sesc de Bauru, que vai votar na candidata do PV ao Palácio do Planalto em 2010, Marina Silva (PV).

Um possível apoio para a escolhida de Lula, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para sucedê-lo no poder só se dará no segundo turno, ainda assim só no caso da petista disputar com um candidato do PSDB.

“A entrada da Marina no páreo mudou a pauta”, diz Frei Betto, convicto de que a senadora vai ser fundamental para a discussão sobre o futuro do país. “A Marina obriga os candidatos a discutirem o projeto Brasil, sustentabilidade”, completa.

Sobre o presidente Lula, Frei Betto, apesar das críticas contundentes ao governo e ao PT, diz que ainda nutre “uma amizade” por ele, “mas sobre ela nós decidimos não falar em público”.

Quando o assunto é a sucessão estadual em São Paulo, onde o PT pode abdicar de ter candidato próprio para apoiar o deputado federal Ciro Gomes (PSB) – hipótese que Frei Betto acha “provável” –, mais críticas. “É bom porque o Lula tira o Ciro de dividir votos com a Dilma e resolve um problema que o PT não consegue porque não tem ninguém para ser candidato em São Paulo”, ironiza.

Vírus da gripe suína ajuda a espalhar vírus de computador


E-mail falso sobre gripe suína espalha vírus, alerta empresa de segurança

Publicidade

da France Presse

Piratas virtuais aproveitaram o interesse mundial pela gripe H1N1, conhecida como gripe suína, para criar e espalhar através de e-mails um vírus que dá acesso a informações confidenciais do computador, alertou nesta sexta-feira (11) a empresa de segurança em informática Pandasecurity.

A mensagem de e-mail afirma que a gripe suína é uma possível conspiração econômica dos grandes laboratórios farmacêuticos e anexa um documento que supostamente revela esse plano, mas que libera o perigoso vírus no sistema.

fonte: folha online

Luciana Rodrigues Vasconcellos

PS: Luciana, será que este e-mail não é um vírus-email falso, espalhado pela Folha Online?

quinta-feira, outubro 29, 2009

Femeas Alfa e Machos Beta

27/10/2009 - 20h22

Altos níveis de testosterona levam à avareza, diz estudo

EWEN CALLAWAY
da New Scientist

Se você está em busca de pechinchas, fuja dos vendedores musculosos. O mesmo hormônio responsável pela força também pode reduzir a generosidade, indica um estudo.

"Nossa conclusão é a de que a testosterona faz com que homens sejam essencialmente pães-duros", diz Karen Redwine, neuroeconomista do Whittier College, na Califórnia, que apresentou o trabalho no encontro anual da Sociedade de Neurociência em Chicago, na semana passada.

Um estudo prévio com 17 negociantes em Londres apontou que níveis matinais de testosterona são correlatos a cada ganho e perda do dia --com a quantidade maior de hormônios associada ao lucro. Mas este estudo não estabeleceu a relação de causa e efeito entre testosterona e sagacidade mercantil.

Para resolver este caso, Redwine e seu colega Paul Zak, da Universidade Claremont, na Califórnia, deu um gel contendo testosterona a 25 estudantes universitários do sexo masculino, para então testar a sua generosidade. Todos os participantes também receberam um placebo sem testosterona, alguns dias antes ou depois do gel à base de testosterona. Nem pesquisadores, tampouco os participantes sabiam quais amostras eram verdadeiras e quais eram placebos até o final do estudo.

O creme de testosterona funcionou. No dia seguinte, a potência do hormônio sexual dobrada foi levada diretamente às veias dos voluntários, proporcionalmente.

Os voluntários jogaram, então, um jogo econômico simples por intermédio de um computador. Um dos voluntários tinha US$ 10 disponíveis, enquanto o outro tinha qualquer valor que desejasse. Cada um aceitava ou rejeitava a oferta conforme achasse justo ou não --neste caso, ninguém ganhava nenhum dinheiro. Os voluntários jogaram uma rodada em ambas as situações, isto é, com e sem o gel de testosterona.

No geral, o creme de testosterona causou uma redução de 27% na generosidade das ofertas, de US$ 2,15 para US$ 1,57.

Uma variedade mais potente da testosterona, a di-hidrotestosterona (DHT) exerceu uma influência ainda mais forte no comportamento. Homens com uma amostra maior de DHT no sangue ofereceram aos parceiros a reles quantia de US$ 0,55 dos US$ 10, enquanto os homens com menor nível de DHT ofertavam US$ 3,65, em média.

Hormônio egoísta

Há duas interpretações nos resultados, diz Redwine. Por um lado, a testosterona empurra o homem a buscar uma quantidade maior de dinheiro, caso ele esteja fazendo uma oferta ou decidindo aceitá-la ou rejeitá-la.

No entanto, ao rejeitar as ofertas injustas, voluntários abastecidos pela testosterona realmente cumprem a ordem social da divisão igualitária entre partes. "Pessoas são egoístas, mas altruístas também, e não está entendido por que esse comportamento ocorre."

Um fator biológico pode ser a dinâmica entre testosterona e outro hormônio chamado oxitocina. Às vezes chamado de "química do afago", a oxitocina também influencia na generosidade. Em um estudo de 2007, a equipe de Zak descobriu que a administração de oxitocina impulsionou a generosidade no mesmo jogo em 80%.

Redwine nota que a testosterona bloqueia a ação de oxitocina no cérebro. "É possível que a criação destes machos alfa realmente iniba a oxitocina", diz ela.

Petista histórico apóia Marina Silva

Parece que apenas a banda podre do PT vai continuar no partido...


Depois de Marina, PT perde outro militante histórico



toinho251009aArticulador e fundador do petismo no Estado, jornalista Toinho Alves saiu do partido

CHICO ARAÚJO
e JAIRO CARIOCA


BRASÍLIA – Depois de perder a senadora Marina Silva e o deputado Henrique Afonso, o Partido dos Trabalhadores no Acre continua a sofrer defecções importantes em seus quadros. Agora é a vez do jornalista Antonio Alves, oToinho Alves, um dos fundadores do partido na década de 1980 e articulador das campanhas da Frente Popular do Acre, conglomerado de partidos de esquerda. Na visão de Toinho, "a Frente Popular está maior, mais poderosa e conservadora". Por essa razão, o jornalista defende um novo instrumento político para as futuras gerações. "Assim como as pessoas, as organizações e instituições também envelhecem".

A primeira a debandar foi Marina, ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula. Sua saída foi motivada em função de confrontos com a colega Dilma Roussef, da Casa Civil. O deputado Henrique Afonso largou o partido depois que a Executiva o puniu por ele não votar a favor de um projeto de Lei que regulariza a prática do aborto no Brasil. Marina se filiou ao Partido Verde (PV). Afonso seguiu o mesmo caminho.

Agora, Toinho Alves sai do PT para evitar constrangimentos políticos ou problemas jurídicos na campanha eleitoral de 2010. Alves será um dos coordenadores da candidatura de Marina Silva (PV-AC) à Presidência da República. Marina, Toinho Alves e o atual governador do Acre, Binho Marques (PT), são muitos amigos. Afastado da 'via partidária' no PT, Toinho diz que volta à luta política por uma boa causa (a candidatura de Marina à sucessão de Lula).

Nas décadas de 80 e 90, o trio ajudou a sedimentar o petismo em território acreano. O PT assumiu o poder no Acre em 1999, depois da desastrada administração de Orleir Cameli (PP), com a eleição de Jorge Viana (PT). À época, Cameli era visto como maior corrupto do Acre e agora é principal aliado do dos petistas e do grupo dos Viana (Jorge e seu irmão, senador Tião Viana).

Cameli, o corrupto, vira aliado do PT

Flagrado usando duas carteiras de identidades e vários CPFs, Cameli foi acusado de envolvimento com cartéis de drogas da Colômbia, desvios de recursos, trabalho escravo, e uma série de outros crimes. Mesmo com essa ficha, o ex-governador se tornou aliado de primeira hora do grupo de Viana e, nas eleições de 2002, emplacou o primo César Messias vice na chapa encabeçada por Binho Marques.

As empresas de Cameli e ligadas a ele ganharam diversas licitações no governo petista, inclusive a que permite o asfaltamento de trechos da BR-364 entre os municípios de Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

Tais alianças, embora tenham garantido a longevidade do PT no governo do Acre, causaram descontentamentos internos em membros da Frente Popular do Acre. É o caso de Toinho Alves, que, ao longo dos anos de governos petistas, cumpriu seu papel de articulador bastidores, longe dos holofotes e das câmeras.

Criador do movimento de esquerda Organização Socialista Internacionalista (OSI), um grupo trotskista chamado Liberdade e Luta (Libelu), Toinho Alves é respeitado por suas posições e declarações sem meias palavras. Otrotskismo é uma doutrina marxista baseada no pensamento do político e revolucionário ucraniano Leon Trótski, e formulada como teoria política e ideológica e apresentada como vertente do comunismo por oposição ao stalinismo.

Censura à imprensa no Acre

Logo no início do governo Binho, o jornalista Antônio Alves expôs, sem cerimônia, seu descontentamento com o novo governo. E desabafou: "A imprensa do Acre é uma merda". Sua reação ocorreu diante da censura importa pelo governo de Binho Marques aos meios de comunicação do Acre.

O repórter do combativo quinzenário Varadouro da década de 1980 conseguiu dizer o que muitos jornalistas no Acre gostariam de dizer, mas não o dizem por medo de perder o emprego: "O governo não 'exerce censura', ele simplesmente edita os jornais dos quais ele é uma espécie de arrendatário, quase dono". Na semana passada, durante a Conferência Estadual de Comunicação, Toinho Alves voltou a criticar a subserviência do governo do PT aos veículos de comunicação e defendeu que o governo não deveria repassar dinheiro aos jornais, rádios e TVs.

"Neste momento, o futuro da humanidade está em questão. As mudanças do clima no planeta encurtam todos os prazos e o mais importante é fazer com que o povo discuta esse assunto e pressione os políticos a tomarem decisões", lembra Toinho Alves, referindo-se ao embate eleitoral de 2010.

Toinho acredita que Marina Silva deve apresentar um projeto com proposta para a vida do planeta. "Os outros candidatos tem proposta melhor?", indaga. Ainda sobre Marina, o jornalista avalia que o nome da senadora do Acre, além de ser um fato novo e mera possibilidade na corrida ao Planalto, já provocou mudanças significativas no quadro sucessório.

quarta-feira, outubro 28, 2009

Qual a influência de Laisy Morière na saida de Marina Silva do PT?


DN suspende direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso

O Diretório Nacional do PT, reunido nesta quinta-feira (17), analisou os pareceres das Comissões de Ética instauradas contra os deputados federais Luiz Bassuma (PT-BA) e Henrique Afonso (PT-AC).

Por unanimidade, os membros do DN entenderam que os dois deputados infringiram a ética-partidária ao “militarem” contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto.

Os dois tiveram seus direitos partidários suspensos: Luiz Bassuma por 1 ano e Henrique Afonso por 90 dias.

Leia abaixo a íntegra das duas decisões do Diretório Nacional:

Processo ético-disciplinar contra o deputado federal Luiz Bassuma (PT-BA):

Considerando representação feita pela secretária nacional de Mulheres do PT, Laisy Morière, contra o deputado federal Luiz Bassuma (PT-BA), e o relatório da Comissão de Ética tratando da infração disciplinar denunciada;

Considerando que o Estatuto do PT garante a todo e qualquer filiado o direito de manifestação pública sobre questões doutrinárias e políticas, sendo, portando, admissível que um militante petista se pronuncie contrariamente a uma posição partidária, desde que os faça respeitosamente e dentro dos limites éticos cabíveis;

Considerando, contudo, que o comportamento do deputado acusado não se limitou ao mero exercício do direito à liberdade de expressão, mas assumiu uma dimensão militante e agressiva contra diretriz definida em resolução do 3º Congresso Nacional do PT;

Considerando ainda que o deputado acusado em nenhum momento solicitou a discussão, nas instâncias competentes, a respeito da resolução do 3º Congresso sobre descriminalização do aborto, nem invocou o direito assegurado no Artigo 13, inciso XV do Estatuto partidário;

Considerando, finalmente, que o deputado acusado teve atitudes desrespeitosas e ofensivas à ética partidária em relação a militantes e parlamentares petistas que defendem a descriminalização do aborto, nos termos da resolução aprovada no 3º Congresso;

O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, com base nos artigos 13, incisos XIV e XV; 14, incisos III e IV; 209, incisos I, II e VIII; e 210, parágrafo 4º do Estatuto partidário;

Resolve:

I. Aplicar a pena da suspensão das atividades partidárias pelo período de 1 (hum) ano;

II. Nos termos do Artigo 210, parágrafo 4º do Estatuto do PT, indicar como direitos e funções partidárias cujo exercício serão atingidos:

A) suspensão do direito de participar na elaboração e na aplicação da política partidária, de votar e de ser votado em quaisquer instâncias partidárias, inclusive no âmbito da Bancada Federal;

B) determinação à Bancada Federal que proceda, de imediato, a substituição do deputado Luiz Bassuma na Comissão de Seguridade Social e da Família na Câmara dos Deputados.

III. Recomendar ao deputado acusado que retire os projetos de Lei de sua autoria que contrariam a resolução do 3º Congresso.

Processo ético-disciplinar contra o deputado federal Henrique Afonso (PT-AC):

Considerando representação feita pela secretária nacional de Mulheres do PT, Laisy Morière, contra o deputado federal Henrique Afonso (PT-AC), e o relatório da Comissão de Ética tratando da infração disciplinar denunciada;

Considerando que o Estatuto do PT garante a todo e qualquer filiado o direito de manifestação pública sobre questões doutrinárias e políticas, sendo, portando, admissível que um militante petista se pronuncie contrariamente a uma posição partidária, desde que os faça respeitosamente e dentro dos limites éticos cabíveis;

Considerando, contudo, que o comportamento do deputado acusado não se limitou ao mero exercício do direito à liberdade de expressão, vindo a militar ostensivamente contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT sobre a descriminalização do aborto; nunca solicitando, na forma estatutária cabível, o exercício do direito assegurado pelo Artigo 13, inciso XV do Estatuto do PT;

O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, com base nos artigos 13, incisos XIV e XV; 14, incisos III e IV; 209, incisos I, II e VIII; e 210, parágrafo 4º do Estatuto partidário;

Resolve:

I. Aplicar a pena da suspensão das atividades partidárias pelo período de 90 (noventa) dias;

II. Nos termos do Artigo 210, parágrafo 4º do Estatuto do PT, indicar como direitos e funções partidárias cujo exercício serão atingidos:

A) suspensão do direito de participar na elaboração e na aplicação da política partidária, de votar e de ser votado em quaisquer instâncias partidárias, inclusive no âmbito da Bancada Federal;

B) determinação à Bancada Federal que o deputado Henrique Afonso não seja reconduzido à Comissão de Seguridade Social e da Família na Câmara dos Deputados.

Aborto: um passo por vez



Alguns leitores me perguntaram minha opinião sobre a questão do aborto. Isso é motivado por alguns dados novos no cenário político-cultural, a saber:

1. Minha candidata, Marina Silva, não tem uma posição pró-choice na questão.

2. Os petistas Luis Bassuma e Henrique Afonso sofreram sanções do PT por defender uma posição similar à de Marina Silva. Ver blog de Henrique Afonso aqui.

3. Muitas pessoas progressistas socialmente, feministas etc. (exemplo, meu irmão Marcelo R. Kinouchi) estão em dúvida na questão do aborto. Explico: historicamente falando, a esquerda tem batalhado para ampliar a defesa dos direitos daqueles que não têm voz nem direitos. Assim, primeiro se defendeu os "direitos" (que não são direitos de pessoas jurídicas na época, elas nem eram consideradas "pessoas humanas integrais") dos escravos, dos negros, dos trabalhadores, das mulheres, dos índios, dos portadores de deficiências físicas, dos pacientes psiquiátricos, dos portadores de Síndrome de Down e outras formas de deficiência mental, das crianças, dos idosos e, mais recentemente, de seres não-humanos como grandes macacos, mamíferos sociais, animais de laboratório etc.

Ou seja, a flecha política da esquerda sempre apontou para a ampliação dos direitos e defesa dos (assim considerados em uma dada época) "sub-humanos" e "não-humanos", ou pelo menos, de pessoas que não cidadãos em termos plenos, juridicamente falando. Assim, o argumento de que o feto ainda não é uma pessoa humana não é um argumento válido para certas pessoas, por exemplo os vegetarianos que não comem camarão e os budistas que não pisam em formigas.

4. Parece ser contraditório que eu defenda ativamente os supostos "direitos animais" de cefalópodes e outros invertebrados e, ao mesmo tempo, fique quieto em relação aos fetos, que são vertebrados. O argumento de que o feto não é independente da mãe não se sustenta (no meu caso dos "direitos animais", uma vez que neste caso a mãe faz o papel de aquário para o cefalópode: o cefalópode também não tem a menor chance de sobrevivência fora do aquário.) OK, OK, estas considerações precisam ser melhoradas, mas vocês pegaram o espírito da coisa...

5. O debate sobre o aborto é, em grande parte, um debate importado dos EUA. Naquele país, configurou-se que o aborto é defendido pelos liberais e combatido pelos conservadores. Mas isso, em grande parte, é um acidente histórico. Em uma situação outra, é possível que os conservadores defendessem o aborto como prática eugenista e os liberais combatessem o aborto a fim de dar voz aos que não tem voz (os fetos).

Eu sou a favor do aborto porque acho que, na situação atual brasileira, é o menor dos males. Meninas e mulheres estão morrendo em clínicas de aborto clandestinas, as crianças indesejadas acabam sofrendo todo tipo de privação e abuso etc. Mas defender o "menor dos males" não é uma situação muito confortavel. Eu preferia defender algo mais alinhado com as outras causas ideológicas que defendo. E eu não tenho certeza se a questão do aborto é consensual mesmo entre as feministas petistas, quanto mais entre as feministas em geral ou entre as mulheres em geral.

Além disso, "a situação atual brasileira" pode mudar radicalmente (vide a queda avassaladora da taxa de fertilidade das brasileiras - os atuais 1,8% nas mulheres jovens - que irá trazer graves danos demográficos e econômicos para nosso futuro). Ou seja, defender o aborto como uma escolha individual da mulher é uma coisa, defender a legalização do aborto como uma boa política de combate ao crime ou controle populacional, pelo fato de que o aborto diminui o número de jovens favelados (como se faz no livro Freaknomics), é outra bem diferente...

Mas acho que o tema merece um debate maior, menos polarizado, quem sabe com um passo por vez. Por exemplo, acho que se poderia discutir proveitosamente a questão da "pílula do dia seguinte". Tais pílulas poderiam ser disponibilizadas melhor nas farmácias, ONGs feministas poderiam dá-las de graça às meninas (e não precisa ser no dia seguinte, claro!), assim como dão camisinhas e contraceptivos na época de Carnaval.

Em vez de fazer a pergunta genérica e capciosa "Você é a favor ou contra o aborto?", "Você é pró-Vida" ou "Pró-Choice", que tal perguntarmos: quais seriam as consequencias sociais, éticas e demográficas da liberação sem receita médica da pílula do dia seguinte? Acho que é uma questão mais simples, mais tratável. Em questões delicadas como o aborto, que tal darmos um passo por vez? Afinal, a tecnologia disponível em uma sociedade tipo GATTACA será realidade dentro de 20 anos ou menos... Eu eu não gostaria que as mulheres, por questão de mercado, abortassem seus fetos que tem potencial para se tornarem cientistas ou nerds, e escolhessem sempre fetos mais parecidos com o Brad Pitt...

PS: Idéias Cretinas discute a questão ética relacionada ao aumento de abortos de fetos com Síndrome de Down na Inglaterra e País de Gales. Ver aqui.

PS: O fato de Carl Sagan ter defendido o aborto no contexto norte-americano não implica que todo blogueiro de ciências progressista deveria fazer o mesmo. Existem ateus que são contra a legalização do aborto e existem religiosos a favor da legalização do aborto (por exemplo o Bispo Macedo da Igreja Universal é a favor da legalização do aborto, você sabia?)

oOo

Da Wikipedia:

Freakonomics

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O livro Freakonomics - O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta é uma coletânea de estudos do economista Steven Levitt, Ph.D. pelo MIT, em parceria com o jornalista Stephen J. Dubner. A obra defende teses polêmicas, entre elas a de que a legalização do abortoseria a grande responsável pela redução das taxas de criminalidade em Nova Iorque.

O próprio nome Freakonomics - que quer dizer algo como "economia excêntrica", segundo a responsável pela tradução da obra - contribui para que o livro mostre a que veio. Levitt tem uma linha de pensamento diferente da maioria dos economistas e, apesar de em Freakonomics ele seguir uma tendência tradicional atualmente em Economia – a de aplicar princípios econômicos às mais variadas situações da vida cotidiana – o livro não fica limitado a isso.

Situações cotidianas são confrontadas pelos autores, e idéias simples, convenientes e confortadoras, tidas como verdadeiras pela sociedade, são postas em dúvida.

No primeiro capítulo, as origens da corrupção são discutidas. No segundo, os autores debatem problemas decorrentes de assimetria de informação. No terceiro, levanta-se uma outra questão: por que os traficantes de drogas, apesar de estarem em uma atividade altamente rentável, ainda têm um baixo padrão de vida?

O quarto capítulo é o mais polêmico: é o que defende a tese de que o aborto legalizado seria o grande responsável pela diminuição da criminalidade em Nova Iorque, e não fatores como a existência de uma economia mais forte, o aumento do número de policiais, a implementação de estratégias policiais inovadoras ou as mudanças no mercado de drogas. Os autores argumentam que filhos indesejados teriam maior probabilidade de se tornarem criminosos, pelas condições precárias de vida a que estariam sujeitos durante sua criação.

[editar]Críticas sobre a teoria do Aborto

A teoria sobre o aborto, por tratar de um tema tão delicado, é constantemente alvo de críticas. Levitt não se esquiva delas e sempre responde: "Eu penso que é exatamente assim que a ciência deve trabalhar, com teorias controversas sendo cutucadas e instigadas a provar sua robustez".

Levitt faz questão de deixar claro que não faz nenhum tipo de julgamento de valor a respeito da questão. Seu trabalho é desenvolvido do ponto de vista de um pesquisador que apenas tenta explicar os fenômenos que observa.

As críticas mais importantes ao seu trabalho vieram de outros cientistas:

Christopher Foote e seu assistente Christopher Goetz, dois economistas da Federal Reserve de Boston apontaram um erro relacionado aos dados utilizados, referentes ao número de prisões efetuadas no período estudado. O fato de Levitt ter usado o número total de prisões realizadas, ao invés do número de prisões per capita supervalorizaria a influência do aborto. Levitt, em tempo, reconheceu o erro e ajustou suas equações para os novos valores. Isto, porém, não reduziu tão drasticamente a influência do aborto: apesar de menor, continua existindo e é estatisticamente importante na redução da criminalidade.

Em Março de 2006 foi realizada uma conferência no American Enterprise Institute for Public Policy Research com Christopher Foote, John Donohue (co-autor do artigo científico de Levitt sobre o impacto da legalização do aborto na redução do crime) e outros economistas e cientistas a respeito deste trabalho.

[editar]Ligações externas

    Casar com mulher jovem e inteligente faz bem para a relação


    Natalie Portman, PhD em Psicologia por Harvard, vai fazer o papel da enfermeira Jane Foster no filme Thor, que estréia em 20 de maio de 2011
    26/10/2009 - 11h47

    Mulher mais jovem e inteligente é chave para casamento longo, diz pesquisa

    da BBC Brasil

    Uma pesquisa britânica afirma que o segredo para os homens terem um casamento feliz e duradouro é escolher uma mulher mais inteligente e, no mínimo, cinco anos mais jovem.

    Essa combinação, segundo os pesquisadores da universidade britânica de Bath, é a que tem maior probabilidade de dar certo no longo prazo, especialmente se nenhum dos dois tiver sido divorciado no passado.

    O trabalho foi publicado na revista científica "European Journal of Operational Research".

    Os pesquisadores entrevistaram mais de 1,5 mil casais casados ou em relações estáveis. Após cinco anos, eles checaram quais casais ainda estavam juntos.

    Fatores objetivos

    Os cientistas descobriram que, em casos onde a mulher era mais velha que o marido em cinco anos ou mais, as chances de divórcio aumentaram para três vezes.

    Se a diferença de idade é invertida --com o homem mais velho do que a mulher-- as chances de sucesso no casamento aumentam.

    Outro fator é o grau de educação da mulher. Quanto maior a escolaridade da mulher, maiores são as chances de o casamento durar, segundo a pesquisa.

    Os casais em que nenhuma das pessoas foi divorciada também teriam mais chances de ficarem juntos por mais tempo. Mas casais em que apenas uma das pessoas foi divorciada são mais instáveis do que casais em que os dois já foram casados antes.

    Para Emmanuel Fragniere, o pesquisador que conduziu o trabalho, homens e mulheres escolhem seus parceiros "com base no amor, atração física, semelhança de gostos, crenças e atitudes, e valores em comum", mas fatores objetivos --como idade, educação e origem cultural-- também podem ajudar a diminuir os casos de divórcio.

    Você votaria em um evangélico para presidência?





    Vou iniciar uma nova enquete aqui no SEMCIÊNCIA, ver na barra lateral. Afinal, as relações entre religião e política estão ficando importantes nestas eleições.


    A senadora Marina Silva (PV-AC) afirmou nesta terça-feira que nunca atuou como parlamentar em defesa dos interesses específicos
    O Globo

    WASHINGTON - A senadora Marina Silva (PV-AC) afirmou nesta terça-feira que nunca atuou como parlamentar em defesa dos interesses específicos dos evangélicos e disse que muitas vezes sofreu preconceito pelo fato de ser cristã evangélica, apesar de ser a religião que mais cresce no Brasil hoje.

    Em visita a Washington, a senadora disse ainda que as pessoas que se opõem às suas ideias gostam de distorcer sua opinião qualificando-a de intransigente defensora do criacionismo e contra o aborto.

    - Muita gente me diz: como você pode ser tão inteligente se você é evangélica? Eu não sei se isso é um tipo de preconceito, mas acho que há muitos equívocos sobre a minha fé religiosa e minha atuação política.

    Eu defendo o Estado laico, não acho que o Estado tenha que tomar partido desta ou daquela religião e acho até que os evangélicos são muito agradecidos pelo Estado laico brasileiro, que os permitiu crescer como religião.

    Sobre o aborto, Marina defendeu que o assunto não seja regulamentado pelo Executivo diante das opiniões muito divergentes sobre o tema. Para ela, o melhor caminho seria um plebiscito.

    PS: Vale notar que Marina Silva, até quatro anos atrás, era católica...

    Vídeo: A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, fez a palestra de abertura da 13º Semana Científica da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP) e da Faculdade Arthur Sá Earp (Fase), no dia 29 de agosto de 2007. A ministra abordou o tema central da semana científica - Meio Ambiente, Saúde e Sociedade - e foi aplaudida de pé por uma platéia de mais de 500 pessoas, composta por professores, alunos e convidados.

    segunda-feira, outubro 26, 2009

    Relatividade não muito relativa


    Um Cut and Paste dum texto do Piqueira, via Dulcídio (Física na Veia). Acho que o Piqueira não vai reclamar, qualquer coisa eu falo com ele...

    É comum, em nosso cotidiano, que conceitos de teorias científicas passem ao vocabulário usual, com sentido distorcido e aplicado de maneira irresponsável, com apoio pressuposto do argumento de autoridade.

    O caso mais gritante é o do “Darwinismo Social” que, ao se valer de teoria científica, procura legitimar preconceitos e mecanismos de dominação entre grupos étnicos e sociais. Felizmente, caiu em merecido descrédito, de modo que sua relevância atual é nula, sendo digna de repúdio.

    Entretanto, parece que Darwin hoje incomoda tanto quanto Galileu à sua época. Alguns pretendem dar ao “Criacionismo” status de ciência, colocando-o como teoria alternativa ao “Darwinismo”. Nada mais pobre, do ponto de vista espiritual e intelectual do que confundir a ciência com a fé.

    A fé é foro íntimo, e de cada um. As diversas religiões devem ser respeitadas, cada uma com seus dogmas. A ciência não é uma alternativa à religião, porém conhecimento de outro tipo.

    Ciências mudam todos os dias, podem questionar-se, aprimorar-se continuamente. A ciência busca o entendimento da natureza e não há nesse ato, qualquer atitude de crença ou descrença em dogmas religiosos.

    Assim, Darwin é vítima do obscurantismo, pois suas idéias tendem a ser negadas pelo público, digamos, leigo ou pseudo-científico, como se pertencessem a um lado diabólico da humanidade. Há, entretanto, uma vítima positiva do obscurantismo: Albert Einstein.

    Lido por poucos, virou lenda e com isso a ele se atribuem idéias estapafúrdias, com frases repetidas à exaustão, em livros de auto-ajuda. Vamos lá, quer ganhar uma pendenga? Diga sério uma besteira atribuindo-a a Einstein. Quase todos vão acreditar, porque só poucos verificam.

    A mais engraçada é a relatividade: “Tudo é relativo”, dizem os leitores descuidados, e um interminável rolo de enganos vai subscrever-se à glória de Einstein.

    Galileu, que passou maus bocados nas mãos de obscurantistas, entre seus vários trabalhos, enunciou o “Princípio da Relatividade” que diz: “As leis físicas são as mesmas para qualquer referencial inercial.”. Ou seja, o chamado princípio da relatividade fala de invariância de leis, mesmo que os referenciais produzam medições diferentes para certas grandezas físicas.

    O que Einstein procurava, quando enunciou sua “Teoria da Relatividade Especial”, era salvar o princípio de Galileu, quando aplicado às leis do eletromagnetismo, que haviam sido brilhantemente sintetizadas por Maxwell, durante o século XIX. Parecia, inicialmente, que as leis do eletromagnetismo não eram descritas da mesma maneira, quando se mudava de referencial.

    Ao unificar os resultados de Michelson e Morley sobre o fato de que a luz não necessita suporte material para se propagar com as equações de Lorentz para cálculo de velocidades relativas e com o fato da velocidade da luz independer do referencial, concluiu que as leis do eletromagnetismo também são as mesmas para todos referenciais inerciais.

    Sabe-se que, como todo ser humano, Einstein, ao longo de sua carreira, errou certas coisas, da mecânica quântica, sobretudo. Seu erro maior, contudo, foi ter mantido o nome de “Teoria da Relatividade” para seu trabalho e não mudá-lo para “Teoria da Invariabilidade”. O nome chamaria menos a atenção dos meios comunicativos, mas evitaria o “Einsteinismo Social”.

    Todavia, há uma possível analogia entre a noção einsteiniana de “invariabilidade” e os fenômenos sociais. Realmente, há variações de valores de cultura para cultura, mas o que há de essencial para o homem – respeito à liberdade, acesso ao conhecimento e, principalmente, direito à vida com dignidade – independe de qualquer referencial social.

    José Roberto Castilho Piqueira

    Professor titular da Poli-USP

    domingo, outubro 25, 2009

    Resposta ao Tempo

    "Temporada" de mentiras estatísticas

    UuDate: Carlos Hotta também está começando a ficar nervoso com as estratégias de "Comunicação Social" do Ministério da Saúde e do jornalismo brasileiro. Como sempre, ele continua um gentleman (ou isso é fleugma nipônica?), o que faz a gente se preocupar ainda mais, não é mesmo? "Se até o Carlos Hotta está desconfiando do MS, então..."

    Trinta e três dias depois do último boletim (e da conivência da Folha em não divulgar os totais das Secretarias da Educação), é emitida a nota à imprensa sobre a gripe suína do Ministério da Saúde. É interessante ver a manipulação e maquiação das informações pelo MS, seguindo o preceito jornalístico de contar mentiras dizendo apenas verdades...

    Em vermelho, minhas observações (sem análise detalhada) sobre as afirmativas estatisticamente falaciosas do MS:

    19/10/2009 , às 18h30

    Influenza A(H1N1)


    MINISTÉRIO DA SAÚDE
    GABINETE PERMANENTE DE EMERGÊNCIAS
    NOTA À IMPRENSA

    Situação epidemiológica da influenza pandêmica (H1N1) 2009

    1. SITUAÇÃO NO BRASIL

    CASOS GRAVES

    • O número de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no Brasil – ou casos graves – causados pela influenza pandêmica (H1N1) 2009 (nova gripe) caiu 97,3%, passando de 2.828 registros para 78, entre as Semanas Epidemiológicas (SE) 31, encerrada em 8 de agosto, e a 40, encerrada em 10 de outubro. [Dado que o último boletim é de 16 de setembro, deveria se fazer uma comparação com essa data, e não com o pico da epidemia em 8 de agosto, escolhido a dedo para impressionar o leitor (97,3% !). Comparando semana por semana, da SE 35 até a SE 39 para ver a variação semanal em setembro, temos quedas semanais de 24%, 21%, 43% e 42% nas últimas semanas (o que é bem menos impresionante!). Não se deve usar os dados da semana 40 porque tais dados não são confiáveis, já que casos graves e mortes ocorridas no período ainda serão confirmadas no futuro. É possível que os dados das semanas 38 e 39 também ainda sofram desse efeito subestimador, o que explicaria as "quedas" observadas].

    • No acumulado entre 25 de abril e 10 de outubro, foram notificados 68.806 casos graves de algum tipo de doença respiratória no país. Do total, 18.973 foram confirmados para algum tipo de influenza, dos quais 17.219 (90,7%) tiveram confirmação laboratorial para a nova gripe. [Por que insistir em comparar com os casos de algum tipo de doença respiratória em geral - inclusive as cronicas? O que deve se comparar é a tão propalada equivalência entre a gripe sazonal e a gripe suína. Verifica-se que 90,7% foi da suína, e a questão é se 90,7% das mortes (de adultos jovens!) foram da suína também, ou não. Aposto que foi mais, pois a gripe sazonal não mata em geral adultos jovens (a taxa de mortalidade da gripe sazonal nesta faixa etária é de 0,0001%), ou seja, as duas gripes não são equivalentes, nem epidemiologicamente nem nosologicamente: esta é a afirmação falaciosa do MS, este é o ponto que os jornalistas deveriam enfatizar, se quisessem fazer jornalismo investigativo...].

    Distribuição de casos de SRAG, por semana epidemiológica de início dos sintomas, segundo classificação etiológica. Brasil, até SE 40/2009 [Interessante como os casos de gripe sazonal desaparecem nas últimas semnas epidemiológicas. Isso não mereceria um comentário? E cadê as tão propaladas 70 mil mortes por gripe sazonal que o Temporão divulgou de boca cheia?]

    Gráfico

    ÓBITOS

    • Foram registrados, entre 25 de abril e 10 de outubro, 1.368 óbitos por influenza A (H1N1), o que corresponde a uma taxa de mortalidade de 0,7 por 100.000 habitantes. [Quantos óbitos por gripe sazonal, para podermos verificar a afirmação do ministro de que as duas gripes matam da mesma forma? Como se compara esse número com a média mundial? Porque incluir os estados do Norte e Nordeste, onde o pico epidemico ainda não foi atingido, nessa estatística?] A estratégia do MS evitou que o número mágico de 1000 mortes desse manchete na TV... Logo, a política de desinformação funcionou...

    Distribuição de óbitos por Influenza A(H1N1)2009 Pandêmica por região e Unidade Federada de residência. SE 40/2009.

    Região/UF

    Confirmado para Influenza Pandêmica

    Estimativa populacional
    (IBGE, 2009)

    Taxa de mortalidade
    (por 100 mil hab.)

    n

    %

    Região Sul

    577

    41,3

    27.718.997

    2,08

    .. Paraná

    278

    19,9

    10.686.228

    2,60

    .. Rio Grande do Sul

    200

    14,3

    10.914.042

    1,83

    .. Santa Catarina

    99

    7,1

    6.118.727

    1,62

    Região Sudeste

    663

    49,6

    80.915.637

    0,86

    .. São Paulo

    432

    30,9

    41.384.089

    1,04

    .. Rio de Janeiro

    122

    8,7

    16.010.386

    0,76

    .. Minas Gerais

    107

    7,7

    20.034.068

    0,53

    .. Espírito Santo

    2

    0,1

    3.487.094

    0,06

    Região Centro-Oeste

    98

    7,0

    13.895.467

    0,71

    .. Goiás

    61

    4,4

    5.926.308

    1,03

    .. Mato Grosso do Sul

    17

    1,2

    2.360.550

    0,72

    .. Distrito Federal

    10

    0,7

    2.606.884

    0,38

    .. Mato Grosso

    10

    0,7

    3.001.725

    0,33

    Região Norte

    14

    1,0

    15.359.645

    0,09

    .. Roraima

    2

    0,1

    421.497

    0,47

    .. Tocantins

    3

    0,2

    1.292.063

    0,23

    .. Acre

    1

    0,1

    691.169

    0,14

    .. Pará

    5

    0,4

    7.431.041

    0,07

    .. Rondônia

    1

    0,1

    1.503.911

    0,07

    .. Amazonas

    2

    0,1

    3.393.357

    0,06

    .. Amapá

    ---

    ---

    626.607

    ---

    Região Nordeste

    16

    1,1

    53.591.299

    0,03

    .. Bahia

    10

    0,7

    14.637.500

    0,07

    .. Paraíba

    2

    0,1

    3.769.954

    0,05

    .. Pernambuco

    2

    0,1

    8.810.318

    0,02

    .. Piauí

    1

    0,1

    3.145.164

    0,03

    .. Rio Grande do Norte

    1

    0,1

    3.137.646

    0,03

    .. Maranhão

    ---

    ---

    6.367.111

    ---

    .. Ceará

    ---

    ---

    8.547.750

    ---

    .. Alagoas

    ---

    ---

    3.156.101

    ---

    .. Sergipe

    ---

    ---

    2.019.755

    ---

    Total

    1368

    100,0

    191.481.045

    0,71

    Fonte: Sinan/MS


    IMPORTANTE:

    - Com relação à taxa de mortalidade, a comparação entre os países fica prejudicada porque a atualização dos dados não tem ocorrido de maneira uniforme. Além disso, os Estados Unidos, um dos países com maior número de óbitos, mudaram seu critério de classificação de mortes. Em 30 de agosto, o país zerou as estatísticas e, desde então, o Centro de Controle de Doenças conta os óbitos causados não apenas pelo vírus A(H1N1) pandêmico 2009, mas também as mortes associadas a qualquer tipo de influenza, mais a combinação pneumonia+influenza. Pela nova definição de caso adotada pelo governo americano, de 30 de agosto a 3 de outubro, houve 240 mortes associadas a qualquer tipo de influenza mais 1.544 mortes por pneumonia e influenza. As informações estão no site http://www.cdc.gov/flu/weekly/ [Ou seja, as novas estatisticas dos EUA superestimam as mortes se comparadas com os critérios brasileiros, de modo que estamos MUITO pior que os EUA].

    - Reitera-se que o cálculo da taxa de letalidade em relação ao total de casos de influenza não é mais utilizado como parâmetro para monitorar o comportamento da doença, uma vez que os casos leves não são mais notificados, exceto em surtos. Esta conduta tem sido preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde julho e seguida pela maioria dos países, com priorização para o monitoramento de casos graves por influenza. [Isso quer dizer que perdemos qualquer conhecimento sobre o R0 epidemiológico e que não temos a menor noção da porcentagem de população brasileira que foi infectada na primeira onda]
    .
    - O acréscimo no número de óbitos em relação ao último boletim (divulgado em 16 de setembro)NÃO SE REFERE A CASOS NOVOS DE PESSOAS QUE MORRERAM NO PERÍODO ANALISADO, mas aos casos que tiveram resultado de teste laboratorial concluído entre 12 de setembro e 10 de outubro (SE 36 e SE 40, respectivamente). [Ou seja, os dados de óbitos estão subestimados e atrasados].

    MULHERES E GESTANTES

    • Um total de 5.369 mulheres em idade fértil (15 a 49 anos) tiveram resultado positivo para o novo vírus A(H1N1) e desenvolveram a forma grave da doença.

    • Destas, 1.414 mulheres estavam grávidas. Entre as gestantes, 135 morreram, [ou seja, quase 10% das grávidas em estado grave morreram! E embora a proporção de gravidas na população de mulheres seja pequena (menor que 5% ?), houve um número desproporcional de casos graves e óbitos nessa classe. Por que? A gripe H1N1 não é igual ou mesmo mais fraca que uma gripe sazonal?

    2. SITUAÇÃO NO MUNDO

    • Com a proximidade do inverno nas regiões temperadas do hemisfério Norte, observa-se, nas últimas três semanas epidemiológicas, aumento nas taxas de transmissão de doença respiratória na América do Norte, Europa Ocidental e Norte da Ásia.

    • No link abaixo, observa-se o mapa de tendência de doenças respiratórias no mundo, com dados até 4 de outubro. A tendência é de crescimento em diversos países do Hemisfério Norte, incluindo Estados Unidos, México, Canadá, Reino Unido e Espanha; e de queda em alguns países do Hemisfério Sul, incluindo o Brasil. [O que essa informação é relevante para o Brasil? O aumento nos outros países não justifica os números absurdos de óbitos no Brasil!]

    http://gamapserver.who.int/h1n1/trend-resp-diseases/h1n1_trend-resp-diseases.html

    • Com relação à resistência ao antiviral fosfato de oseltamivir, até 4 de outubro, foi informada à OMS a ocorrência de 31 casos – nenhum no Brasil, até o momento. [Ou seja, a desculpa do MS com relação ao Tamiflu era história pra boi dormir, que alguns blogueiros de ciência compraram sem questionar].

    • Outras informações estão disponíveis, em inglês, no site
    http://www.who.int/csr/don/2009_10_16/en/index.html


    Assessoria de Imprensa
    (61) 3315-2351/3580